Pular para o conteúdo principal

Postagens

Destaques

ZERO (Um conto de superficialidades e apatia) - Capítulo 01

INTRODUÇÃO
A avenida principal estava vazia. Obviamente não se encontrava nessa situação pela falta de coisas. Estava vazia pela ausência de pessoas. Havia um grande relógio de ponteiros pendurado num poste, marcava oito e meia – era manhã. O sol disputava o domínio do céu com umas poucas nuvens carregadas. E não havia ninguém. As coisas estavam intactas e na mais perfeita ordem; as calçadas estavam sujas com a mesma quantidade de lixo de sempre, não havia cacos de vidro pelo chão nem lojas saqueadas, as paredes não estavam pichadas, não se podia constatar nenhum tipo de destroços. Não se vislumbrava o espectro do abandono... resumindo os fatos, a cidade inteira estava vazia, aliás, todas as cidades do mundo estavam do mesmo jeito. Seria um esforço inútil e excessivamente laborioso tentar encontrar uma explicação capaz de esclarecer o fenômeno, pois tal não havia. O importante é que não era possível encontrar pessoas escondidas em buracos ou abrigos antiatômicos. Não era possível enco…

Últimas postagens

Céu que a todos cobre

Céu que a todos cobre